quinta-feira, 20 de julho de 2017

TRÍVIOLETRA (TC) (TS): SURURU Vários autores

TRÍVIOLETRA (TC): SURURU

S ururu // - URUTU PICA URUBU // - brucutu! vai pro buraco (1)
U rucubaca // tabefe e peteleco // tem blefe, tem boneco (3)
R ola confusão armada // língua venenosa // tropeça no laço (2)
U mbrosa noite // serpente faminta // sem antiofídico (5)
R odeia o cheiro // refeição mórbida // urutu ataque mortal. (4)
U rubu-rei, que sina, // no sus // vacina só tem pra jaburu (6)


Marco Bastos 1, 3, 6
Celinha Viol 2
João P. C. Furtado 4
Marcia Portella 5

TRÍVIOLETRA (TS): SURURU
S ururu // - URUTU PICA URUBU // - brucutu! vai pro buraco (1)
R ola confusão armada // língua venenosa // tropeça no laço (2)
U rucubaca // tabefe e peteleco // tem blefe, tem boneco (3)
R odeia o cheiro // refeição mórbida // urutu ataque mortal. (4)
U mbrosa noite // serpente faminta // sem antiofídico (5)
U rubu-rei, que sina, // no sus // vacina só tem pra jaburu (6)

quarta-feira, 19 de julho de 2017

TRÍVIOLETRA (TC/TS):COROTES - VÁRIOS AUTORES

TRÍVIOLETRA (TC):COROTES

C orote e cocorote // no meu lote // a cerveja vem no pote. (3)
O corpo abrasado // céu limpo // barril seco, estrada sem nada. (2)
R ica caravana // cachaça mais devassa // deu com os burros n´água. (6)
O beso aparente // vazio o vácuo // inanimado o culpado. (4)
T em com que saciar?/CERVEJA/ do céu nada nem uma pinga. (1)
E xplodiu vazou // vinho novo corote velho // sina única. (7)
S em água, oásis distante // curtos passos // volteios infinitos (5)

João P. C. Furtado 1, 4,7
Celinha Viol 2, 5
Marco Bastos 3, 6

TRÍVIOLETRA (TS):COROTES

T em com que saciar?/CERVEJA/ do céu nada nem uma pinga. (1)
O corpo abrasado // céu limpo // barril seco, estrada sem nada. (2)
C orote e cocorote // no meu lote // a cerveja vem no pote. (3)
O beso aparente // vazio o vácuo // inanimado o culpado. (4)
S em água, oásis distante // curtos passos // volteios infinitos (5)
R ica caravana // cachaça mais devassa // deu com os burros n´água. (6)
E xplodiu vazou // vinho novo corote velho // sina única. (7)



Um corote explodiu e com ele todos os outros da adega. Na mistura indigesta o burro afogou e o bêbado esqueceu-se do pote da cerveja. Do céu nem uma pinga, apenas raios de sol para o desanimo dos camponeses. Obrigado mestre e poeta Marco Bastos e poetisa amiga Celinha Viol pela participação neste TRÍVIOLETRA (TC/TS):COROTES concluido.

terça-feira, 18 de julho de 2017

TRÍVIOLETRA TC/TS : DANOU - SE

TRÍVIOLETRA TC : DANOU - SE

D ia marcado // BONDE CERTO, VIA DE FLORES // endereço errado (1)
A i Jesus" chegou tarde // bonde descarrilado // velho carris...(5)
N ada feito, tudo errado! // bonde no trilho // Dolores sobe a serra (2)
O retrato feito em letras // Trívioletra // - bonde fora dos trilhos (6)
U m dia chuvoso // tudo certo // pressa...pegou o bonde errado (4)
-
S onhei acordada // passei da parada // que massada!(7)
E is o fim da linha // sem agua sem pão // no bonde avariado.(3)


Celinha Viol 1,4
Marco Bastos 2, 6
João P.C. Furtado 3, 5
Marcia Portella 7

TRÍVIOLETRA TS : DANOU - SE

D ia marcado // BONDE CERTO, VIA DE FLORES // endereço errado (1)
N ada feito, tudo errado! // bonde no trilho // Dolores sobe a serra (2)
E is o fim da linha // sem agua sem pão // no bonde avariado.(3)
U m dia chuvoso // tudo certo // pressa...pegou o bonde errado (4)
A i Jesus" chegou tarde // bonde descarrilado // velho carris...(5)
-
O retrato feito em letras // Trívioletra // - bonde fora dos trilhos (6)
S onhei acordada // passei da parada // que massada!(7)


sexta-feira, 14 de julho de 2017

TRIVIOLETRA TC/TS : BLUSA - VÁRIOS AUTORES

TRIVIOLETRA TC : BLUSA

B lusas e fendas // transluzem o corpo // em doce e suave oferenda (2)
L inho puro // sem alça umbigo a mostra // exibe beleza.(3)
U m babado bordado // peitos à mostra // renda rendada (4)
S eda, pele dourada // BRASÕES,RENDAS // desabotoados botões (1)
A berta, foi-se a couraça // mamilos durinhos // carinhos me faça.(5)


Celinha Viol 1, 4
Lourdes Ramos 2
João P.C. Furtado 3
Marco Bastos 5

TRIVIOLETRA TS : BLUSA

S eda, pele dourada // BRASÕES,RENDAS // desabotoados botões (1)
B lusas e fendas // transluzem o corpo // em doce e suave oferenda (2)
L inho puro // sem alça umbigo a mostra // exibe beleza.(3)
U m babado bordado // peitos à mostra // renda rendada (4)
A berta, foi-se a couraça // mamilos durinhos // carinhos me faça.(5)

quinta-feira, 13 de julho de 2017

TRÍVIOLETRA TC/TS : AURORA. - VÁRIOS AUTORES

Resultado de imagem para imagem de aurora
TRÍVIOLETRA TC : AURORA.

A zul cerúleo // róseos flocos // voa a fantasia (3)
U ngido pela esperança // canta o galo // desperta a infância (5)
O dia anuncia // gotas de orvalho no jardim // tudo magia (6)
R ubro amanhecer // FARFALHAM FOLHAS E FLORES // cheiro da terra (1)
R eflexos por detrás da montanha // beleza tamanha // renascer (2)
A urora Boreal-Polar // explosões de luz // regala os olhos.(4)

Celinha Viol 1
Lourdes Ramos 2
Maria Inez Alves 3, 5
João P.C. Furtado 4
Dirce Carneiro 6

TRÍVIOLETRA TS : AURORA.
R ubro amanhecer // FARFALHAM FOLHAS E FLORES // cheiro da terra (1)
R eflexos por detrás da montanha // beleza tamanha // renascer (2)
A zul cerúleo // róseos flocos // voa a fantasia (3)
A urora Boreal-Polar // explosões de luz // regala os olhos.(4)
U ngido pela esperança // canta o galo // desperta a infância (5)
O dia anuncia // gotas de orvalho no jardim // tudo magia (6)

Resultado de imagem para imagem de aurora

quarta-feira, 12 de julho de 2017

TRÍVIOLETRA (TC) (TS): COROTES - VÁRIOS AUTORES

Resultado de imagem para imagem de corotes

TRÍVIOLETRA (TC): COROTES

C abaça no deserto // mata sede, é fresca // oásis na goela (6)
O nde a distância é muita // E ÁGUA POUCA // melhor que pote (1)
R ota quente, sol queima // barril e cachaça // tormento passa (5)
O u então, moringa // pra refrescar a cuca // sem estresse (2)
T opo do mundo // boca seca // ave não voa (3)
E le saca a rolha // pingo pinga e pinga / num gole só (4)
S entado a espera // água pra COROTE // sono e sonho e nada.(7)

Marco Bastos 1
Lourdes Ramos 2
Marcia Portella 3
Hércio Afonso 4
Celinha Viol 5
Dirce Carneiro 6
João P. C. Furtado 7

TRÍVIOLETRA (TS): COROTES
O nde a distância é muita // E ÁGUA POUCA // melhor que pote (1)
O u então, moringa // pra refrescar a cuca // sem estresse (2)
T opo do mundo // boca seca // ave não voa (3)
E le saca a rolha // pingo pinga e pinga / num gole só (4)
R ota quente, sol queima // barril e cachaça // tormento passa (5)
C abaça no deserto // mata sede, é fresca // oásis na goela (6)
S entado a espera // água pra COROTE // sono e sonho e nada.(7)

Resultado de imagem para imagem de corotes

TRÍVIOLETRA (TC)(TS): CUNHAS. - VÁRIOS AUTORES

TRÍVIOLETRA (TC): CUNHAS.

C unha do tempo // SANHA DA VIDA // unha encravada, dor mais doída (1)
U ma só chance de retratar-se // e sem cura // apodrecer (5)
N a lâmina // do fio de corte ao prisma espesso // avança e alavanca (4)
H á dor // tempo aberto de volta // rancor, ressentimento (2)
A manha outro vento // leva rancor // encrava saudades.(3)
S eta apontada // mira lá e si // sol nas alcunhas (6)


Marco Bastos 1, 4
Celinha Viol 2
João P. C. Furtado 3
Lourdes Ramos 5
Dirce Carneiro 6

TRÍVIOLETRA (TS): CUNHAS.
C unha do tempo // SANHA DA VIDA // unha encravada, dor mais doída (1)
H á dor // tempo aberto de volta // rancor, ressentimento (2)
A manha outro vento // leva rancor // encrava saudades.(3)
N a lâmina // do fio de corte ao prisma espesso // avança e alavanca (4)
U ma só chance de retratar-se // e sem cura // apodrecer (5)
S eta apontada // mira lá e si // sol nas alcunhas (6)

segunda-feira, 10 de julho de 2017

TRÍVILETRA (TC) (TS): SEGREDO - VÁRIOS AUTORES

TRÍVILETRA (TC): SEGREDO

S em sino, lacre ou sinete // GARRAFA AO MAR // - toca só no destino (1)
E nquanto navega // sova o sal, queima no sol // nada segreda (4)
G uarda a sete chaves // dizer e mandar calar // não adianta...(3)
R egras da vida // segredo é segredo // alba_atroz ou tormenta (5)
E fala ou falo, cala ou calo // cala fundo // ou imundo quer-não-quer (7)
D o estado... Da justiça // jornal fuçador // razões pérfidas (6)
O ndas revoltas // trazem na areia // sigilo guardado (2)


Marco Bastos 1, 5,7
Celinha Viol 2
João P. C. Furtado 3, 6
Dirce Carneiro 4

TRÍVILETRA (TS): SEGREDO

S em sino, lacre ou sinete // GARRAFA AO MAR // - toca só no destino (1)
O ndas revoltas // trazem na areia // sigilo guardado (2)
G uarda a sete chaves // dizer e mandar calar // não adianta...(3)
E nquanto navega // sova o sal, queima no sol // nada segreda (4)
R egras da vida // segredo é segredo // alba_atroz ou tormenta (5)
D o estado... Da justiça // jornal fuçador // razões pérfidas (6)
E fala ou falo, cala ou calo // cala fundo // ou imundo quer-não-quer (7)


Resultado de imagem para caixa da pandora

sexta-feira, 7 de julho de 2017

TRÍVIOLETRA (TC) (TS): FOFOCA VÁRIOS AUTORES

TRÍVIOLETRA (TC): FOFOCA
F uxico, ti ti ti // disse me disse // bisbilhotice cantada (3)
O co sentimento // faca afiada // voz que morde e dilacera (2)
F ala povo, ri hiena // MUNDO CÃO // - faísca ou cantilena (1)
O zunzum bate-caixa // in_confidência // boca engolindo a cabeça (5)
C ala a boca // horda famélica // não fale da Amélia (4)
A quele "disse que disse" // mais um ponto // maldita fofoca...(6)


Marco Bastos 1, 5
João P. C. Furtado 2, 6
Celinha Viol 3
Marcia Portella 4

TRÍVIOLETRA (TS): FOFOCA
F ala povo, ri hiena // MUNDO CÃO // - faísca ou cantilena (1)
O co sentimento // faca afiada // voz que morde e dilacera (2)
F uxico, ti ti ti // disse me disse // bisbilhotice cantada (3)
C ala a boca // horda famélica // não fale da Amélia (4)
O zunzum bate-caixa // in_confidência // boca engolindo a cabeça (5)
A quele "disse que disse" // mais um ponto // maldita fofoca...(6)

POEMA TRÍVIOLETRA TC/TS: ESTRELA VÁRIOS AUTORES

POEMA TRÍVIOLETRA TC: ESTRELA

E strela cadente // desejo presente // Sonho e Paz. (6)
S onhava ela Hollywood // maldita doença // Divino brilho. (4)
T rópico de Cancer // Equador verde_fogo // no zénite solar (3)
R eais constelações // CANCER // rede celeste peixes brilhantes (1)
E s coragem migrante // purpurinas sonhadas // vil caroço (7)
L uz celeste // sopro divino // universo aceso (5)
A lvas alvissareiras // pó que conspira // sem som a fala (2)

João Furtado - 1, 4, 6
Laís Müller   - 2
Chantal Fournet  - 3, 7
Marcia Portella   - 5

POEMA TRÍVIOLETRA TS: ESTRELA

R eais constelações // CANCER // rede celeste peixes brilhantes (1)
A lvas alvissareiras // pó que conspira // sem som a fala (2)
T rópico de Cancer // Equador verde_fogo // no zénite solar (3)
S onhava ela Hollywood // maldita doença // Divino brilho. (4)
L uz celeste // sopro divino // universo aceso (5)
E strela cadente // desejo presente // Sonho e Paz. (6)
E s coragem migrante // purpurinas sonhadas // vil caroço (7)

Que bom. Muito obrigado as participantes com seus belos "t"....Terminada a ESTRELA, desenhada a brilhar no céu da nossa imaginação. Com o brilho da Paz e o sonho da saúde...Algumas nuvens cobertas pelo CANCER e o indesejado caroço, mas que o sopro Divino com a sua rede celeste deu alvas asas ao anjo da Hollywood.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

TRÍVIOLETRA (TC)(TS): FOFOCA - VÁRIOS AUTORES

TRÍVIOLETRA (TC): FOFOCA
F uxico, ti ti ti // disse me disse // bisbilhotice cantada (3)
O co sentimento // faca afiada // voz que morde e dilacera (2)
F ala povo, ri hiena // MUNDO CÃO // - faísca ou cantilena (1)
O zunzum bate-caixa // in_confidência // boca engolindo a cabeça (5)
C ala a boca // horda famélica // não fale da Amélia (4)
A quele "disse que disse" // mais um ponto // maldita fofoca...(6)
Marco Bastos 1, 5
João P. C. Furtado 2, 6
Celinha Viol 3
Marcia Portella 4
TRÍVIOLETRA (TS): FOFOCA
F ala povo, ri hiena // MUNDO CÃO // - faísca ou cantilena (1)
O co sentimento // faca afiada // voz que morde e dilacera (2)
F uxico, ti ti ti // disse me disse // bisbilhotice cantada (3)
C ala a boca // horda famélica // não fale da Amélia (4)
O zunzum bate-caixa // in_confidência // boca engolindo a cabeça (5)
A quele "disse que disse" // mais um ponto // maldita fofoca...(6)

terça-feira, 4 de julho de 2017

TRÍVIOLETRA (TC) (TS): DOCE-MEL. - VÁRIOS AUTORES

TRÍVIOLETRA (TC): DOCE-MEL.
D ouro-me ao sol // Antes que a lua nua // se eclipse (3)
O vo cor de mel // condena a galinha // empobrece o avarento.(6)
C omo como comia // A AVEZINHA // não como sonho, todo dia. (1)
É assim...algo tão doce // pleno // de querer e prazer (4)
-
M inha vizinha quando sonha // Ave!... // bota ovos amarelinhos (5)
E ntão cantamos // a penosa amarelinha // que chatinha! (7)
L ua cheia de mel // Sem abelha sem açúcar // beijos melados.(2)

Marco Bastos 1, 5
João P. C. Furtado 2, 6
Lourdes Ramos 3
Celinha Viol 4
Marcia Portella 7
TRÍVIOLETRA (TS): DOCE-MEL.
C omo como comia // A AVEZINHA // não como sonho, todo dia. (1)
L ua cheia de mel // Sem abelha sem açúcar // beijos melados.(2)
D ouro-me ao sol // Antes que a lua nua // se eclipse (3)
É assim...algo tão doce // pleno // de querer e prazer (4)
M inha vizinha quando sonha // Ave!... // bota ovos amarelinhos (5)
O vo cor de mel // condena a galinha // empobrece o avarento.(6)
E ntão cantamos // a penosa amarelinha // que chatinha! (7)

segunda-feira, 3 de julho de 2017

TRIVIOLETRA TI: CORAGEM



TRIVIOLETRA TI: CORAGEM

Contra a sombra // Lucky Luke persegue // não cansa vence. (1)
O Pança herói // Don Quixote vê fantasma // medo morreu.  (2)
Recordar e vencer // medo existe // herói tem consciência.    (3)
A consciência sabe // contra fraco // valentia é desonra.          (4)
Gentes Tiradentes // Juana D´Arc // auréola em arco.               (5)
E história mostra // homem admira // é a coragem.                   (6)
Medo que mede // alcance além temor // limite de suicídio.    (7)

João Furtado 1,2,3,4,5,6,7

domingo, 2 de julho de 2017

TRÍVIOLETRA TC : DUREZA - VÁRIOS AUTORES

TRÍVIOLETRA TC : DUREZA

D ifícil jornada // MUNDO SE AFUNDA // choro seu choro (1)
U ngidos gemem, gemem // E cadê o pão? // Mas nem um só tostão (2)
R ica pobreza // fome e guerra // refugiado nada sem nada (3)
E scravo ontem // pouco sofreu // hoje de dinheiro mil tormentos.(5)
Z ela pela competência // o mundo sabe // escravidão existe (4)
A nel de fogo // na lona queimada // circo em chamas (6)

Celinha Viol 1
Lourdes Ramos 2
João P.C. Furtado 3, 5
Marco Bastos 4
Marcia Portella 6

TRÍVIOLETRA TS : DUREZA

D ifícil jornada // MUNDO SE AFUNDA // choro seu choro (1)
U ngidos gemem, gemem // E cadê o pão? // Mas nem um só tostão (2)
R ica pobreza // fome e guerra // refugiado nada sem nada (3)
Z ela pela competência // o mundo sabe // escravidão existe (4)
E scravo ontem // pouco sofreu // hoje de dinheiro mil tormentos.(5)
A nel de fogo // na lona queimada // circo em chamas (6)